Jornalismo


Samantha Su estuda Jornalismo e gosta muito das aulas de fotografia e fotojornalismo. Já quis seguir para reportagem em áreas de conflito, mas achou a carreira acadêmica mais interessante. No seu ponto de vista o mercado está muito competitivo, mas apresenta diversas opções com o leque das mídias sociais e também trabalhos freelancer. Para quem deseja seguir a carreira, recomenda que saiba ouvir e que saiba o que é interesse público.

? O CURSO:
“É um curso muito voltado para a técnica e a prática. Para mim, o maior ganho do curso de Jornalismo da UFF foram as aulas de fotografia/fotojornalismo, os projetos do professor Márcio Castilho, que trabalha com comunicação alternativa e comunitária, além de um xodó nosso que é o nosso jornal O Casarão.”

 A ESCOLHA DO CURSO:

“Eu inicialmente queria ser repórter de áreas de conflito, tinha um sonho de fazer cobertura de guerra e olhar nos olhos do mundo o pior e o melhor das pessoas. Com a faculdade isso foi se modificando, hoje eu pretendo fazer mestrado e seguir carreira docente. Gosto muito do campus do IACS, um casarão rosa histórico, temos a famosa “praia”, um anfiteatro de concreto que antigamente era todo pintado com temática praiana e contava ainda com areia em seu entorno. Hoje, dele se fez um grande jardim ao redor, temos uma cantina, a salinha dos Diretórios Acadêmicos que é compartilhada e ampla.”

? MERCADO DE TRABALHO
“O mercado é muito competitivo, sendo as redações formais ainda mais. Além de tudo, é um ambiente meritocrático e pouco estável em geral. Ano passado houve um corte muito grande de profissionais do mercado formal e muitos jornalistas procuram alternativas para isso. Há muitas maneiras para se trabalhar com comunicação. As mídias sociais, a internet, a comunicação alternativa, comunitária e sindical estão aí precisando de muita gente boa. Além disso, os freelancers, as agências de notícias, o jornalismo internacional, principalmente para países fora do eixo América do Norte e Europa. Todas boas alternativas de jornalismo.”

? CONSELHO A QUEM DESEJA SEGUIR CARREIRA DE JORNALISTA
“Exercitem os ouvidos! Faz diferença aqueles e aquelas que desejam exercer o ofício por acreditarem que a informação deve ser democrática, de livre acesso a todos e que a comunicação é um direito humano. Melhor é aquele jornalista que lembra que o interesse público está acima de tudo e que não vivemos numa sociedade igualitária, mas caminhamos e lutamos por ela. Aja sempre com humildade e disciplina, com sede de apreender novos mundos e com muita ousadia para transpor o que tem pela frente. Boa sorte!”