Turismo


Dionísio Almeida cursa Turismo na UFF, ele escolheu porque gosta de trabalhar com pessoas e no ensino médio tinha afinidade com história e geografia. Ele tornou sua graduação diversificada com projetos de pesquisa e extensão e também participou das atléticas.
 O CURSO

“Somos um curso relativamente novo, a primeira turma data do ano de 2003, de lá para cá tivemos a criação do Departamento de Turismo na Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, em 2004. Em 2013, tivemos a nossa tão esperada criação da Faculdade de Turismo e Hotelaria (FTH) que conta hoje com os cursos de Turismo e Hotelaria. O grande sucesso da FTH frente às avaliações nacionais, pesquisas, extensões e ensino se deve ao compromisso dos alunos, professores, técnicos administrativos e terceirizados.”

 A ESCOLHA DO CURSO

“Antes de escolher fazer Turismo, eu sabia que gostaria de trabalhar com alguma coisa relacionada a pessoas e as disciplinas que mais me chamavam a atenção no colégio eram história e geografia. Com isso, pesquisei sobre os cursos e encontrei o Turismo da UFF. Apesar de ser um curso voltado para a área de gestão, posso dizer que fiz uma graduação bem diversificada, já que essa é uma das propostas do currículo, mas sempre voltado para a área cultural.”

 EXPERIÊNCIA COM MUSEOLOGIA

“Turismo e Museus tem uma relação muito próxima, entretanto, pouco entendida, algumas vezes por ambas as áreas. Não é meu objetivo generalizar, mas o que se percebe é que os profissionais do turismo encaram os museus apenas como mais um atrativo a ser visitado, a ser turistificado. Com isso, os profissionais dos museus tendem também a ter uma visão míope sobre a área pensando o turismo como algo que levará prejuízos às instituições. No curso de Turismo temos duas disciplinas optativas sobre Turismo e Museus (Turismo e Museus lecionada pela professora Telma Lasmar e Museologia Aplicada ao Turismo lecionada pela professora Karla Godoy), que proporcionam ao aluno ampliar seu olhar crítico sobre as Instituições Museu, sempre objetivando qualificação dos Museus para o Turismo, respeitando os conhecimentos e especificidades de cada área. No Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Turismo e Museus, coordenado pela professora e museóloga Karla Godoy, do qual eu faço parte, fazemos debates sobre a relação das duas áreas que resultam em monografias, artigos e, mais recentemente, em uma oficina sobre Turismo, Museus e Hospitalidade. Ao longo desses dois anos em que participo do grupo foi possível entender a importância e atuação do Bacharel em Turismo nas Instituições museológicas, por isso a presença das museólogas no curso é tão importante, pois vemos os museus para além de um produto cultural. Por elas sempre serei grato.”

 CONSELHOS PARA QUEM DESEJA CURSAR TURISMO

“O meu primeiro conselho para quem pretende cursar Turismo é: pesquise sobre a área de atuação do bacharel em turismo. Turismo vai para além da viagem. Podemos estudar e pesquisar sobre os (não) atrativos, trabalhadores, agenciamento, marketing, economia, fluxos migratórios, cultura, política, cinema, enfim, a área é muito grande e complexa. De resto, meu conselho é que aproveite muito a graduação. Eu sempre falo que são quatro, cinco anos, que a pessoa dedica a sua formação então faça por gostar, temos o Diretório Acadêmico Thomas Cook que expande a visão política dos alunos, o Laboratório de Eventos, diversos grupos de pesquisa, extensão e por ser uma área multidisciplinar é bom que o aluno procure eletivas de outros cursos, busque pesquisas de outras áreas também. A Universidade é gigante.”